Política

Secretário Júnior Gonçalves é afastado do cargo por 180 dias

Durante as investigações, foi apurado que o Secretário Chefe da Casa Civil, Junior Gonçalves, supostamente lidera a organização criminosa.

Por Lente Nervosa

sexta-feira, 14/05/2021 - 14:10
Secretário Júnior Gonçalves é afastado do cargo por 180 dias

Porto Velho, RO – Deflagrada nas primeiras horas da manhã de hoje (14), a segunda fase da Operação Propagare, desencadeada pelo Ministério Público do Estado de Rondônia (MPRO), através do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) e com participação da Polícia Federal e Polícia Civil no cumprimento das decisões, resultou no afastamento do Secretário-Chefe da Casa Civil, Junior Gonçalves.

Durante as investigações, foi apurado que o Secretário Chefe da Casa Civil, Junior Gonçalves, supostamente lidera a organização criminosa, contando ainda, com participação de seu advogado particular, Nelson Canedo, que age como elo entre o agente político e servidores e empresários do ramo de publicidade, sendo assim, o Ministério Público do Estado (MPE) representou pelo afastamento cautelar de Junior Gonçalves do cargo, além de busca e apreensão em vários pontos da cidade.

LEIA MAIS: OPERAÇÃO PROPAGARE – Secretário Júnior Gonçalves é suspeito de liderar organização criminosa

Governo diz que Júnior Gonçalves “precisou deixar suas funções administrativas por tempo limitado”

“O Ministério Público do Estado de Rondônia, por meio do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (GAECO), obteve, ainda, cautelarmente o afastamento, pelo prazo inicial de 180 (cento e oitenta) dias do cargo do Secretário-chefe da Casa Civil, investigado por supostamente receber mensalmente propina para garantir benefícios em contratações públicas com o Governo do Estado de Rondônia, bem como o deferimento de buscas e apreensões no Gabinete do Chefe da Casa Civil, no Escritório de Advocacia, nas residências dos investigados e na sede de uma das empresas, que possivelmente facilita a lavagem de dinheiro”, diz parte da nota do Ministério Público.

Leia mais sobre:

Seja o primeiro a colaborar

Deixe seu comentário!

Informe seu nome
Informe seu email