Política

Todos querem um pedaço de Bolsonaro para as eleições de 2022 em Rondônia

segunda-feira, 10/05/2021 - 03:27 • Atualizado 12/05/2021 - 15:31
Todos querem um pedaço de Bolsonaro para as eleições de 2022 em Rondônia

Porto Velho, RO – A primeira e única visita de Jair Bolsonaro, sem partido, a Rondônia na condição de presidente da República ocorreu na última sexta-feira (07) durante o evento de inauguração da ponte do Abunã, que facilitará o acesso ao Acre. 


Tirando o contexto em si, percebe-se, ao menos nas fotografias tiradas no encontro, que políticos regionais querem tirar um naco da popularidade – se é que ainda é tão forte -, do mandatário do Planalto. 

Observou-se ali a prevalência de autoridades de todos os espectros: aí vai da deputada Mariana  Carvalho, do PSDB, passando pelo governador Coronel Marcos Rocha, também fora de legenda, e desembocando na figura do senador Marcos Rogério, do DEM. O último, sem muito o que apresentar para a população do Estado pelo qual foi eleito, optou por aderir à sombra do comandante da União, defendendo com unhas e dentes as pautas do governo federal. 


Conclui-se, a partir disso, que pouca coisa deve mudar nestas paragens do poente de 2018 para 2022. 


Velhas e novas figuras tentarão se posicionar sobre os ombros de Bolsonaro a fim de alavancar suas candidaturas, abrindo mão, claro, de suas próprias personalidades dentro do campo eletivo. Isto considerando amigavelmente que um dia as tiveram. 


Óbvio que o contexto trazido pelo novo-velho Coronavírus (COVID-19/SARS-CoV-2) impediu a aferição mais acurada de sua aceitação como regente da Nação por parte dos rondonienses. 


Na visita anterior, em 2018, enquanto candidato, observou-se desde o Aeroporto Jorge Teixeira às carretas de rua às quais participou que o termômetro da estima desta gente a ele estava estourado, tamanho número de pessoas que, espontaneamente, se dirigiu ao seu encontro para declarar apoio incondicional. 


Mas e agora? Será que o amor ainda é o mesmo e dirigido em massa? Quanto risco corre um concorrente ao rejeitar suas características só para tentar se alavancar às custas de outrem? O que o cidadão de Rondônia terá aprendido nesse hiato de quarto anos entre processos eleitorais? 


São respostas que só as urnas poderão nos dar,  e isto em pouco mais de um ano.

Fonte: Rondônia Dinâmica 

Leia mais sobre: , ,

Seja o primeiro a colaborar

Deixe seu comentário!

Informe seu nome
Informe seu email