quarta-feira, 24 de julho de 2024
Search
Close this search box.

Governo e sociedade discutem garantia dos direitos da pessoa idosa em Rondônia durante encontro em Porto Velho

Secretária Luana Rocha destacou avanços das políticas públicas para idosos e pediu ajuda da população para o fim da violência

Com o tema “Nos Caminhos da Longevidade”, o governo de Rondônia abriu nesta segunda-feira (24), em Porto Velho, por meio da Secretaria de Estado da Assistência e do Desenvolvimento Social (Seas), o 3º Encontro Estadual de Promoção e Garantia dos Direitos da Pessoa Idosa. O evento, que segue até as 12h da terça-feira (25), na Avenida Governador Jorge Teixeira, n° 491, Bairro Nossa Senhora das Graças, tem como objetivo ampliar o diálogo acerca da implantação de estratégias inerentes à qualidade de vida da pessoa idosa, promover a sensibilização da rede socioassistencial de Rondônia quanto à importância dos Conselhos de Direitos, bem como ofertar suporte teórico-metodológico aos trabalhadores da rede socioassistencial, que atuam nas políticas voltadas a este público.

Publicidade

Para o governador de Rondônia, Marcos Rocha, a implementação efetiva das políticas públicas para pessoas idosas requer o envolvimento e a participação ativa de diferentes atores sociais, como governos, organizações não governamentais e a própria sociedade. “A colaboração de todos é essencial para garantir que as necessidades e demandas dos idosos sejam atendidas de maneira adequada e inclusiva,”pontuou.

Conforme explicou a secretária Luana Rocha, na abertura, o governo tem trabalhado no sentido de promover ações que garantam aos idosos o acompanhamento necessário em todos os aspectos, inclusive repasse de recursos aos municípios, com vistas à garantia de direitos para uma velhice saudável com atividades recreativas e proteção contra a violência. A secretária citou, ainda, um fato que chamou a atenção, que foi o grande número de pessoas idosas inscritas nos cursos profissionalizantes do programa estadual Vencer. “Isso mostra que sempre há tempo para quem pretende fazer algo diferente, como a capacitação profissional, pois o mundo vive em constante mudança, inclusive a jornada de trabalho, por isso temos que acompanhar esta evolução”, ponderou.

Grupo da terceira idade mostrou desenvoltura com a capoeira

Publicidade

O Encontro integra a programação do “Junho Violeta”: Mês de Conscientização do Combate à Violência Contra a Pessoa Idosa e ao Dia Mundial de Conscientização da Violência Contra a Pessoa Idosa, celebrado em 15 de junho.

a secretária da Seas solicitou apoio da população para que ajude a combater a violência, denunciando possíveis casos pelo Disque 100. “Para que as pessoas idosas vivam plenamente, vamos todos fazer bem nosso papel de cidadãos, cuidando do próximo, pois um dia seremos idosos também”, reforçou.

IDADISMO OU ETARISMO

Entre os temas a serem abordados nos dois dias, a coordenadora de Direitos Humanos da Seas, Ana Carolina Assunção, destacou o idadismo, também conhecido como etarismo, que se refere ao preconceito, à discriminação ou esteriotipação com base na idade de uma pessoa, práticas excludentes que desvalorizam ou marginalizam indivíduos. “O idadismo pode se manifestar em diversas áreas, como o mercado de trabalho, área econômica, representações estereotipadas nas mídias, na saúde com tratamento diferenciado ou negligência em serviços de saúde, onde as necessidades dos idosos são ignoradas, bem como a suposição de que pessoas mais velhas são incapazes de aprender ou usar novas tecnologias”, ressaltou.

A abertura foi feita com a apresentação do grupo de capoeira da terceira idade. Compuseram a mesa, juntamente à secretária Luana Rocha, o defensor público-geral do estado, Victor Hugo de Souza Lima; o presidente do Conselho Estadual de Defesa dos Direitos da Pessoa Idosa, João Bosco Machado; e a presidente do Colegiado de Gestores Municipais de Assistência Social em Rondônia (Coegemas), Saionara de Faria. Participam do evento, gestores das Secretarias Municipais de Assistência Social, técnicos dos Centros de Referência de Assistência Social (CRAS); membros do Conselho Estadual dos Direitos da Pessoa Idosa, além de representantes dos Conselhos Municipais da Pessoa Idosa; diretores das instituições de Longa Permanência para Idosos e pessoas idosas que participam do Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos em seus municípios.

Publicidade

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mais de

Não temos mais notícias para mostrar.